Thiago de Aragao

Archive for the ‘Mercosul’ Category

www.thiagodearagao.com.br

In América Latina, America Central, Argentina, Artigos, Banco do Sul, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Conflito Colômbia-Venezuela-Equador, Costa Rica, Cuba, Entrevista, Equador, Especial, EUA, México, Mercosul, Panama, Paraguai, Peru, Sugestão de Leitura, Uruguai, Venezuela on outubro 24, 2008 at 12:41 pm

Caros Leitores,

O Blog Visao Latino-Americana mudou de endereco! Ele esta muito mais moderno e bonito! As informacoes serao atualizadas no novo site; WWW.THIAGODEARAGAO.COM.BR 

Aguardo a visita de voces, com criticas, sugestoes e participacoes! Quem desejar submeter artigos, serao muito bem vindos!

Logo todo o arquivo estara no novo site: http://www.thiagodearagao.com.br

Abraco,

 

Thiago de Aragao

Anúncios

Lula avalia convocar reunião de emergência do Mercosul

In Brasil, Mercosul on outubro 10, 2008 at 5:35 pm

Deu no G1.com.br

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira (10), durante a primeira entrevista exclusiva aos portais de Internet, que está avaliando convocar uma reunião de emergência do Mercosul para discutir medidas conjuntas para combater os efeitos da crise financeira internacional para o bloco.

Ele disse que debaterá o assunto com o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, durante a viagem que fará a partir deste domingo (12) para Espanha, Índia e Moçambique.

“Tem que fazer uma reunião [do Mercosul]. Eu estou indo para uma viagem, só volto na quinta-feira (16), e ela só pode ocorrer depois de quinta-feira. Estamos viajando eu e o Celso Amorim e na viagem nós vamos conversar sobre isso e vamos ver. Se eu tomar a decisão pego o telefone e marcamos”, afirmou.


Na entrevista, Lula disse que:

1 Pode cortar investimentos se a crise exigir 
2 Avalia convocar reunião do Mercosul 
3 Pode fazer campanha eleitoral em SP 
4 A autonomia do BC se dá na relação com o presidente 
5 Paulo Lacerda pode voltar à Abin
6 Começou a baixar músicas na internet  

ESPECIAL MERCOSUL: Parlasul realiza sua 13ª Sessão Plenária

In Argentina, Brasil, Mercosul, Paraguai, Uruguai on setembro 15, 2008 at 12:32 pm

Hoje e amanhã, acontece a 13ª Sessão Plenária do Parlasul (Parlamento do Mercosul) na cidade de Montevidéu, Uruguai. Nesta terça-feira, o colegiado também terá a presença do Ministro de Defesa brasileiro, Nelson Jobim, que fará uma exposição sobre o Conselho de Defesa da América do Sul. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Relações Institucionais e Comunicação Social do órgão mercosulino.Destaca-se, entre os temas que serão discutidos, uma proposta de recomendação ao CMC (Conselho do Mercado Comum), apresentada pelo parlamentar brasileiro Eduardo Azeredo, para a priorização dos investimentos em expansão de infra-estrutura. Há também uma recomendação ao Conselho e ao governo argentino, para viabilizar a construção de um trecho da rodovia internacional que unirá a costa brasileira no Oceano Atlântico com a costa chilena no Pacífico, que está sendo chamada de “Corredor Bi–Oceânico”, apresentada pelo parlamentar brasileiro Neuto de Conto.

Além disso, será tratada uma proposta de declaração apresentada pelo Parlamentar argentino Carlos Raimundi em reconhecimento das últimas eleições na República do Paraguai.

Após a exposição do ministro Jobim, o presidente da Comissão de Infra-Estrutura, Transporte, Recursos Energéticos, Agricultura, Pecuária e Pesca do Parlasul, Juan Domínguez, realizará uma coletiva de imprensa para apresentar o Seminário de Integração Energética, que se realizará na cidade de Caracas, Venezuela, de 9 a 11 de outubro de 2008.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ENTREVISTA: Dr. Rosinha, Presidente do Parlamento do Mercosul fala sobre Referendo Revogatorio na Bolivia – Parte II

In Bolívia, Brasil, Entrevista, Mercosul on agosto 26, 2008 at 8:03 pm

AAL 3: Na Colômbia, os aliados do presidente Álvaro Uribe conseguiram as assinaturas necessárias para convocar o referendo que lhe possibilite concorrer ao terceiro mandato. Caso seja aprovado, outros países poderão optar por essa via?Dr. Rosinha: Recordo que por ocasião do plebiscito na Venezuela para a aprovação de uma emenda constitucional, que entre outras coisas, propunha reeleições indefinidas naquele país, partidos de direita das Américas e a maior parte da imprensa, inclusive brasileira, faziam discursos, artigos e editoriais contra essa iniciativa.

Álvaro Uribe prega a alteração da Constituição visando à reeleição pela segunda vez (três mandatos consecutivos) e os mesmos setores que anteriormente criticavam Chávez agora estão mudos. Antes era um escândalo, agora é tudo dentro da legalidade. Esse comportamento é parcial e vergonhoso.

Sim, acredito que outros países da América do Sul poderão optar por esse caminho, mas são países de menor influência e importância política no cenário sul-americano. Caso seja um presidente de centro-esquerda que faça esse caminho, como se comportará os partidos de direita e seus porta-vozes (imprensa)?

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ENTREVISTA: Dr. Rosinha, Presidente do Parlamento do Mercosul fala do Referendo Revogatorio na Bolivia

In Bolívia, Brasil, Entrevista, Mercosul on agosto 26, 2008 at 8:01 pm

Em entrevista exclusiva à Arko América Latina, o atual presidente do Parlasul (Parlamento do Mercosul), deputado Dr. Rosinha (PT-PR), tratou dos desdobramentos da situação política “pós-referendo revogatório” na Bolívia, bem como do referendo que possibilita o presidente Álvaro Uribe concorrer ao terceiro mandato na Colômbia.Arko América Latina: Após o referendo revogatório na Bolívia, o Senhor acredita que o ambiente de radicalização política permanecerá ou há clima para governo e oposição chegarem ao consenso?

Dr. Rosinha: No dia 12 de agosto, dois dias após o referendo, o presidente Evo Morales chamou todos os Prefeitos (assim são chamados os governadores dos Departamentos) da oposição para uma reunião em La Paz, onde buscaria a construção de um consenso mínimo. Não só os convidou, mas também colocou à disposição avião para buscá-los. Todos se negaram a comparecer, ou seja, desejam aprofundar a crise.

AAL 2: A derrota dos governadores de Cochabamba, La Paz e Oruro cria uma nova correlação de forças no país?

Dr. Rosinha: Não só a derrota destes prefeitos, mas o próprio resultado do referendo dá uma nova correlação de forças, em favor de Evo, na Bolívia, pois a vitória do presidente é incontestável.

Segundo a Corte Nacional Eleitoral, com 99,99% dos votos apurados, Evo obteve 67,41% dos votos válidos, o que confirma o seu mandato, pois em 2005 ele foi eleito com 53,74%. Evo Morales e seu vice-presidente, Álvaro García Linera, aumentaram em 13,71 o percentual de aceitação em relação à eleição de 2005. Esse percentual aumentou, inclusive, na chamada região da “meia lua”, onde os prefeitos, reforçados pela imprensa parcial e mentirosa, da Bolívia, fazem uma oposição fascista apoiada pelos Estados Unidos.

Em Santa Cruz, nas eleições de 2005, Evo fez 207.785 votos (33,17% dos votos válidos), agora fez 273.525 (40,71%). Em Beni, fez 16,49% em 2005 e agora 43,72%. Pando não foi diferente, em 2005 fez 20,8%, agora fez 52,5%. A vitória também foi registrada em Tarija, quando em 2005 fez 31,52%, agora fez 49,83%.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

MERCOSUL: Parlasul aprova criação do Observatório da Democracia

In Mercosul on agosto 20, 2008 at 5:04 pm

O Parlasul (Parlamento do Mercosul) aprovou ontem, por unanimidade, uma proposta apresentada pela deputada argentina Beatriz Rojkes e pelo senador Aloizio Mercadante (PT-SP) que cria o Observatório da Democracia do órgão, integrado por parlamentares de todos os Estados Partes do bloco. No mesmo texto, o Parlamento aprovou declaração sobre os referendos revogatórios na Bolívia e decidiu visitar o país como primeira iniciativa do Observatório diante das notícias de que o resultado das urnas não seria respeitado, “o que poderia agravar o atualmente instável cenário político-institucional da Bolívia”. As informações foram divulgadas pela agência Senado.Mercadante disse, ao defender a declaração, que o Parlasul deve contribuir para que não haja um aprofundamento da tensão política na Bolívia. Lembrou que está prevista para hoje greve geral (em cinco departamentos de oposição ao presidente Evo Morales) e disse que os parlamentares do Mercosul devem dialogar com os governantes dos departamentos, com Evo Morales e com o presidente do Congresso Nacional para manifestar o entendimento da instituição de que o único caminho possível é o diálogo entre as forças políticas bolivianas.

O Parlamento do Mercosul declara, no texto aprovado, “sua mais sincera admiração pelo povo-irmão da Bolívia, que, de forma madura e responsável, manifestou-se pacificamente nas urnas nos recentes referendos revogatórios”. Declara também seu apoio “incondicional” à democracia boliviana, a suas instituições e a quaisquer processos que tenham por objetivo estabelecer diálogos produtivos entre oposição e governo bolivianos. O Parlasul declara ainda “seu pleno reconhecimento dos legítimos resultados dos referendos revogatórios, seu veemente repúdio a tentativas, venham de onde vierem, de radicalizar o processo político boliviano e ameaçar a integridade territorial da Bolívia”. O órgão faz um apelo a todas as forças políticas bolivianas e aos meios de comunicação de massa daquele país para que se conduzam, “neste momento crucial da história da Bolívia, com a mesma maturidade e responsabilidade demonstradas pelo grande povo boliviano”.

Ao final, a instituição declara sua esperança de que a Bolívia se torne, em breve, membro pleno do Mercosul. Hoje, a Bolívia é Estado Associado ao Mercosul. Os Estados Partes são Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. A Venezuela está em processo de adesão ao bloco. O senador Pedro Simon (PMDB-RS) destacou, durante os debates, que o Parlamento do Mercosul será um elemento muito importante na luta pela democracia, pela justiça e pelos direitos humanos.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

VENEZUELA: Chávez propõe a criação de um fundo com recursos petroleiros

In Mercosul, Venezuela on julho 2, 2008 at 6:48 pm

Durante a Cúpula do Mercosul, o presidente Hugo Chávez (Venezuela) propôs a criação de um plano de emergência para produzir alimentos financiados com recursos do petróleo.De acordo com a agência Efe, a proposta destinará ao fundo US$ 1 para cada barril de petróleo vendido acima dos US$ 100. Somente com as contribuições venezuelanas, isso representaria cerca de US$ 920 milhões ao ano. Hoje, a Venezuela exporta 2,8 milhões de barris por dia.

No entanto, Chávez condicionou a proposta à criação de um instrumento estatal para tramitar o plano. Para ele, o objetivo é transformar petróleo em alimentos.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

Tabaré Vázquez critica xenofobia contra latino-americanos

In Mercosul, Uruguai on julho 2, 2008 at 6:41 pm

Os “surtos xenofóbicos” que prejudicam imigrantes latino-americanos foi criticado pelo presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, em seu pronunciamento durante a Cúpula do Mercosul. Ele também disse ser necessário que os países do bloco aprofundem a integração por uma questão de sobrevivência.Para Vázquez, “isso é fundamental para enfrentar os problemas gerados pelo aumento do preço internacional dos alimentos e do petróleo”. De acordo com a agência Efe, o uruguaio disse ficar chocado com as discriminações sofridas pelos cidadãos latino-americanos.

“Ninguém emigra por prazer, mas por necessidade. Nesse sentido, a América Latina é um laboratório de pesquisa genética pelas misturas de raças e, sem dúvida, a mestiçagem será o futuro da humanidade”, afirmou o chefe de Estado uruguaio.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ESPECIAL AL: A Cúpula do Mercosul – parte I

In Brasil, Mercosul on julho 2, 2008 at 6:34 pm

A política exterior do Brasil vive uma semana sul-americana, com a realização, na Argentina, de mais uma Cúpula do Mercosul. Com a presença aguardada da maioria dos chefes de governo da região (todos associados ao bloco), após o encontro do Mercosul, a reunião deverá transformar-se em cúpula da Unasul (União de Nações Sul-americanas).Formalmente, o encontro de San Miguel de Tucumán, entre os dias 30 de junho e 1º de julho (segunda e terça-feira), tem em sua pauta a aprovação da criação de um Fundo de apoio a pequenas e médias empresas do bloco, de um Programa de Integração Produtiva, do Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos, além de um acordo com o Chile sobre comércio de serviços (firmado ontem), da ampliação do Fundo de Financiamento do Setor Educacional do Mercosul, de cinco novos projetos no Paraguai (financiados com recursos do FOCEM – Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul) e da facilitação do trânsito de pessoas pela América do Sul (via isenção do uso de passaporte).

Mais do que o aspecto formal do encontro, no entanto, importará observar o impacto que a conturbada situação política em vários países da região, bem como as ainda existentes desavenças regionais, poderá ter sobre a coesão do bloco.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ESPECIAL AL: A Cúpula do Mercosul – parte II

In Mercosul on julho 2, 2008 at 6:32 pm

Entre as situações internas que tendem a apresentar-se como desafio para a união regional, contam-se a persistente disputa entre produtores rurais e governo na Argentina, a sucessão paraguaia (já decidida nas urnas, mas paralisada no Congresso do país, que rejeitou a renúncia do presidente Nicanor Duarte), a crise autonomista na Bolívia (que contrapõe o governo central aos governadores de Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija e Cochabamba), e problemas no Equador (envolvendo a aprovação da nova constituição).No campo das desavenças regionais, o maior destaque ainda reside nas relações entre Colômbia e Equador e Venezuela. Somem-se a isso os já tradicionais problemas internos do bloco (relacionados a temas como assimetrias no comércio intrabloco) e começam a ficar claros os enormes desafios que o Mercosul tem pela frente, caso queira constituir-se em base viável para um projeto efetivo de criação de uma União de Nações Sul-americanas.

Na semana passada, preparando-se para o encontro de Tucumán, o presidente Lula cobrou dos ministros o andamento (e resultados) dos vários projetos de integração em andamento no continente, além de haver começado com o presidente Hugo Chávez, em encontro na capital venezuelana na última sexta-feira (27), o diálogo para o restabelecimento de relações cordiais entre Venezuela e

Colômbia.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)