Thiago de Aragao

Archive for junho \27\UTC 2008|Monthly archive page

BRASÍLIA: Senador alerta para risco de crise na Argentina

In Argentina, Brasil on junho 27, 2008 at 6:24 pm

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) afirmou que a Argentina vive atualmente uma complexa situação econômica, pois apresenta descontrole de gastos públicos e ausência de regras claras para investimentos externos. Ele acredita que esse quadro está afastando os investidores estrangeiros e aumentando a inflação e a pobreza. A informação foi divulgada pela agência Senado.

De acordo com o parlamentar, a realidade argentina não é diferente da brasileira. A seu ver, o fantasma da inflação que assombra os argentinos não pode ser menosprezado entre os brasileiros. Acrescentou também que aqueles que comparecem hoje aos supermercados sentem, no próprio bolso, que a inflação voltou para valer, porém, o governo fecha os olhos e continua gastando como se o tempo não tivesse mudado na economia mundial.

O aumento dos gastos públicos na Argentina foi avassalador nos últimos anos, chegando a mais de US$ 50 bilhões em 2007, ressaltou Alvaro. A elevação dos preços dos alimentos está relacionada, segundo ele, ao aumento dos gastos, à escassez de investimentos estrangeiros e à elevação das taxas sobre as exportações.

O senador alertou ainda para o fato de o Brasil sofrer de problemas parecidos, como a falta de marco regulatório para diversos setores da economia e interferências do Poder Executivo nas agências reguladoras.

 

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

Anúncios

ESPECIAL AL: Política externa em duas frentes – parte II

In América Latina, Bolívia, Brasil, Mercosul, Venezuela on junho 27, 2008 at 6:21 pm

Na frente sul-americana, o destaque diplomático da semana será a visita do presidente Lula à Santa Elena do Uairem (Venezuela), na fronteira amazônica entre o Brasil e a Venezuela. Em seu encontro trimestral com o presidente Hugo Chávez, deverá tratar, entre outros temas, da cooperação fronteiriça entre os dois países e da adesão da Venezuela ao Mercosul – ainda carente de aprovação pelo Senado brasileiro.

O tema foi revisitado pelo presidente Lula nessa quarta-feira (25), durante reunião com parte da equipe ministerial em Brasília. Além dele, Lula e seus ministros abordaram a preocupação com a evolução dos principais projetos de integração (especialmente em infra-estrutura) e a construção de duas novas pontes (entre o Brasil e o Paraguai e entre o Brasil e a Bolívia).

O efervescente contexto regional também deverá se tratado no encontro, que é preparatório para a Cúpula do Mercosul na próxima semana.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ESPECIAL AL: Política externa em duas frentes – parte I

In América Latina, Argentina, Brasil, Mercosul on junho 27, 2008 at 6:20 pm

Até o início da próxima semana, quando a Argentina sediará a Cúpula do Mercosul em Tucumán, a diplomacia brasileira deverá dividir suas atenções entre a África, onde o ministro Celso Amorim passa a semana, e a América do Sul, com a viagem do presidente Lula à Venezuela nesta sexta-feira (27).

Havendo iniciado seu tour africano por Argel (Argélia), entre os dias 22 e 23, até sexta-feira o chanceler brasileiro deverá ter passado também por Marrocos (24 e 25), Tunísia (26) e Cabo Verde (27). Além dos protocolares encontros com autoridades e da assinatura de acordos de cooperação em áreas tão variadas quanto saúde, gestão ambiental, agricultura e inspeção animal (entre outras), a tônica da viagem deverá ser a promoção das exportações brasileiras, com a busca por uma maior presença do país nos mercados do norte da África.

O caso da Argélia, responsável pelo terceiro maior déficit comercial do país em 2007, é emblemático. No país norte-africano, o ministro Celso Amorim defendeu a reabertura do mercado argelino às carnes exportadas pelo Brasil, a compra de aviões da Embraer e a concretização de uma parceria da Petrobras com a estatal petrolífera da Argélia, a Sonatrach. Ainda que respeitando as particularidades locais (por exemplo, no Marrocos os biocombustíveis deverão ocupar lugar de destaque), Amorim deverá dedicar-se à semelhante empreitada em seus outros destinos pelo continente.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

BOLÍVIA: Al Gore participará de fórum sobre mudança climática em Santa Cruz

In Bolívia on junho 27, 2008 at 6:18 pm

O fórum sobre a mudança climática que ocorrerá em agosto, na cidade boliviana de Santa Cruz, contará com a presença do Prêmio Nobel da Paz de 2007, Al Gore, segundo a Universidade Franz Tamayo, uma das organizadoras do evento. A informação foi divulgada pela agência Efe.

Participarão também do seminário “Mudança climática e crise de alimentos – Reflexões da Bolívia para a América Latina”, como expositores, o diretor do Projeto do Milênio da Organização das Nações Unidas, Jerome Glenn, e representantes do governo de Evo Morales.

Gore, que foi vice-presidente dos EUA entre 1992 e 2000, passará quatro dias na Bolívia, onde esteve pela primeira vez em dezembro de 1996 para inaugurar a Cúpula sobre Desenvolvimento Sustentável. O norte-americano ganhou o Nobel da Paz junto com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

URUGUAI: Testes confirmam presença de jazidas de gás

In Mercosul on junho 27, 2008 at 6:17 pm

Com estoque entre 28 bilhões e 84 bilhões de metros cúbicos, testes sismológicos confirmaram a presença de jazidas de gás na plataforma marítima do Uruguai. De acordo com a agência Afp, haverá uma licitação no mês de dezembro para investidores.

O presidente da estatal petrolífera Ancap, Raúl Sendic, disse que “do levantamento sísmico já à disposição pode-se identificar vários reservatórios em distintas profundidades”.

Ele ainda revelou que existe mais de um reservatório na Bacia de Punta Del Este e na Bacia de Pelotas, alguns deles com 6 mil metros de profundidade.

Como a Ancap não dispõe dos recursos necessários, é imprescindível a participação de investidores para a prospecção e extração de gás.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

ARGENTINA: De Volta Para o Futuro

In Argentina on junho 26, 2008 at 1:06 pm

Andar em uma montanha russa, sentir medo e saber que o fim será seguro é bastante excitante e gera uma adrenalina saudável. Andar em outra montanha russa, onde os trilhos estão soltos e a estrutura precária, e mesmo assim se salvar é uma lição inestimável para o futuro. Na Argentina, essa percepção não é compartilhada pelo governo local. Após os traumáticos eventos de 2001, quando o país quebrou financeiramente arrastando milhares de pessoas para a pobreza, uma situação parecida está prestes a se repetir.

A recuperação econômica demonstrada no governo de Nestor Kirchner mascarou outros problemas estruturais com alto potencial de destruição. A falta de modernização da matriz energética, bem como a pífia estratégia de mascarar os índices de inflação, estão trazendo problemas imediatos que estão afetando a população.

Cristina Kirchner assumiu a Presidência da República com a missão de continuar o crescimento econômico iniciado pelo marido e melhorar o aspecto diplomático do país, que não era o forte de Nestor. Bem mais carismática, Cristina aparentava ser o eixo que faltava para que a confiança expressa ao povo domesticamente se expandisse para países vizinhos e órgãos internacionais que acompanham o andamento da economia e da política argentina.

No entanto, o que se viu foi uma história completamente diferente e ao mesmo tempo incrivelmente previsível. O problema da matriz energética argentina não é de hoje. Com a crise em 2001, uma modernização do setor ficou temporariamente suspensa. Com a recuperação econômica privilegiando excessivamente o mercado doméstico (impossibilitando produtores de exportar certos produtos, como carne bovina e suína) o consumo doméstico explodiu. Uma parcela significativa da população recuperou o poder de compra e a baixa inflação, segurada forçadamente pelo governo possibilitava os argentinos de comprarem e se endividarem. Com tudo isso, o consumo energético aumentou na mesma correlação que o poder econômico da população aumentou. No entanto, o limite de produção energética era baixo, levando o país a atingir o pico de consumo. Aliado a isso, a Argentina passou a depender integralmente da Bolívia, país pouco confiável devido à grande instabilidade interna.

Apagões generalizados ainda não ocorreram. Porém, apagões programados por certas indústrias vem acontecendo sistematicamente. Cristina assumiu a presidência ciente desse problema e nada faz para solucionar. Suas propostas de resolução do problema apresentadas até o momento são simplistas demais frente à complexidade do problema. Pedir ao Brasil para abrir mão de percentuais importados da Bolívia é um pedido desesperador e não uma postura de Estado para resolver um problema dessa gravidade.

O que ocorreu, é que pouco antes da crise energética detonar (o que pode acontecer a qualquer momento), outra crise política surgiu. A crise com os ruralistas em torno do controle de preço exercido pelo governo bem como o limite de exportações que os ruralistas possuem, foi importante para mostrar outra limitação do governo. A capacidade de negociação de Cristina vem sendo fraca. Suas soluções não são viáveis pois ela se sustenta em um alicerce artificial: os índices de inflação anunciados pelo governo. Para os produtores, produzir e vender para o mercado interno está dando prejuízo pois a inflação real está na casa dos 20%. Cristina não dá o braço a torcer nas negociações e recusa-se a reconhecer que a inflação de 7% anunciada pelo seu governo é irreal.

Das duas uma: ou Cristina vencerá os ruralistas na base do cansaço, e estes perceberão que diminuir a produção e continuar vendendo para o mercado interno é a única alternativa, ou o governo sofrerá uma grave crise de confiança com a revisão das taxas de inflação, apontando os valores reais.

Se o aspecto da grave crise de 2001 era essencialmente econômico, esse de 2008 é político. O poder de destruição da atual situação é alto. Deve-se levar em consideração a baixa capacidade administrativa de Cristina e a mudança de postura da população de baixa renda (sua base eleitoral). Com o povo se voltando contra Cristina, o andamento de sua administração se tornará insustentável.

Para Farc, Uribe quer matar Chávez e Correa

In Colômbia, Conflito Colômbia-Venezuela-Equador, Equador, Venezuela on junho 11, 2008 at 4:30 pm

“O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, quer assassinar seus colegas Hugo Chávez (Venezuela) e Rafael Correa (Equador)”, segundo Ivan Márquez, integrante do Secretariado das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Ele acredita que o verdadeiro assassino é o chefe de Estado colombiano.

De acordo com Márquez, o serviço de inteligência colombiano, DAS, teria se infiltrado em Caracas com mais de cem paramilitares com esse objetivo.

Como a política de Segurança Democrática do governo colombiano está desmantelando as Farc, os guerrilheiros tentam conseguir apoio externo para prosseguir com suas atividades.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

EQUADOR: País pode negociar agenda bilateral com os EUA

In Equador, EUA on junho 11, 2008 at 4:27 pm

Os governos do Equador e dos EUA iniciarão conversações para estabelecer uma agenda bilateral construtiva, segundo o ministério de Relações Exteriores equatoriano.

Por meio da divulgação de um comunicado, a chancelaria disse que está analisando com o departamento de Estado norte-americano os temas mais importantes da relação bilateral.

De acordo com o governo equatoriano, “as conversações têm como objetivo estabelecer um mecanismo formal de discussões que permita desenvolver programas e projetos futuros de beneficio mútuo em todos os âmbitos”.

Caso os dois países iniciem esse diálogo, haverá uma mudança de postura por parte do governo equatoriano. Desde que assumiu o poder, no dia 15 de janeiro de 2007, Rafael Correa tem defendido o “socialismo do século XXI” e defendido uma maior intervenção do estado sobre a atividade econômica.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

COLÔMBIA: País encerra negociações para TLC com Canadá

In Colômbia on junho 11, 2008 at 4:26 pm

Fontes oficiais informaram no último sábado (7) que, após cinco rodadas que serão concluídas em Bogotá, o Canadá e a Colômbia encerraram as negociações para um TLC (Tratado de Livre-Comércio) que inclui acordos de cooperação trabalhista e ambiental. A informação foi divulgada pela agência Efe.

O encerramento das negociações foi considerado pelo ministro de Comércio, Indústria e Turismo da Colômbia, Luis Guillermo Plata, “um passo importante” para a política comercial liderada pelo governo do presidente Álvaro Uribe.

A negociação teve início em 16 de julho de 2007 em Lima (Peru), onde começaram as negociações com o Canadá nesta mesma data. A partir da entrada em vigência do TLC, 97% das exportações colombianas terão acesso ao mercado canadense livre de taxas, segundo comunicado daquele Ministério. O setor agrícola também conseguiu acesso preferencial para 90% do seu universo tarifário, enquanto 97% dos bens industriais ingressarão no Canadá, de forma imediata, tão logo entre em vigor o TLC.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)

EUA elogiam declaração de Hugo Chávez

In EUA, Venezuela on junho 11, 2008 at 4:24 pm

Os EUA elogiaram as declarações do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, contra as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). No entanto, Washington comprou um maior distanciamento de Caracas em relação aos guerrilheiros. A afirmação foi feita pelo porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Sean McCormack.

“Certamente são boas palavras. Incentivaremos a Venezuela a seguir essas boas palavras com ações concretas”, acrescentou McCormack.

De acordo com a agência Reuters, os EUA avaliam que a Venezuela deve fazer todos os esforços para se distanciar das relações com as Farc.

 

(Equipe Arko América Latina – americalatina@arkoadvice.com.br)